Na crise eu escrevi um livro

As pessoas tem muito isso de “mantenha-se superior”, né?

Sofrer não é ser superior, estar triste não é ser superior, chorar não é ser superior. “Coisa de gente fraca”, fazem entender.

Eu não gosto disso.

Não gosto de me mostrar pro mundo só se estiver bem. Já tive épocas de esconder minhas marcas, me segurar dolorosamente numa imagem que transmitia plenitude, fingia que tava tudo bem quando tava um caos e estava sendo destruída. Não ganhei nada com isso.

A romantização da “força, garra, resistência” me incomoda de tempos de outrora. “Pra quê? Pra quem?” – eu sempre me questionei. Quem nos ama, quer saber a verdade. E os outros? Os outros são os outros, oras. Não se importarão nem com seu sofrimento nem com suas conquistas. E independente da reação… o que importa, de verdade, o que os outros acham? 

Acho que mais que não sentir culpa nas crises, é vê-las como uma passagem inevitável. Nem sempre tudo estará bem e paciência. Seguir adiante é um processo espinhoso, mas não vejo outra saída.

E na  crise, eu escrevi e desenhei as primeiras páginas do que agora, acho que já posso chamar de “meu livro”, já que é um projeto que estou disposta mais que nunca a parir. 

Tudo o que tenho até agora é um nome que será divulgado em breve, alguns textos e muitos desenhos. E ideias, muitas ideias! Logicamente, o livro será uma espécie de “diário” (como aqui, no blog) sobre o meu universo favorito: dos felinos e dos processos criativos – e curiosos –  que ocorrem em meio a pêlos e miados. 

Em breve postarei mais detalhes e claro, como vocês poderão embarcar nessa junto comigo!

Eu vou precisar muito do apoio de vocês. 

Tudo será relatado no twitter @mulhervitrola e no instagram @mulhervitrola, também. Espero vocês por lá ♥

E claro: Feliz Dia Internacional do Gato

 

 

5 pensamentos em “Na crise eu escrevi um livro”

  1. Feliz dia internacional do gato! ❤️

    Olha, se tem uma frase que me ajuda demais sempre é “Isso também vai passar”. Me ajuda a apreciar mais os momentos felizes, porque eles não duram pra sempre. E me ajuda a passar pelos momentos tristes, porque logo eles acabam. E nada como um projeto lindo desses pra seguir adiante! Escrever um livro é um parto sim, mas que orgulho que dá ver esse filho nascer! ❤️

  2. Olha esse livro que ainda nem nasceu e eu já amo pacas!
    Sério… Que coisa linda! Que coisa mais gostosa. Chega a ser uma massagem no coração saber que uma pessoa tão especial como você está vivendo esse momento tão bom de conquistas e auto conhecimento.
    Estou torcendo por você. Sempre! E já quero o livro, claro. 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *