Papo de Vitrola

Gente da rua

Eu tenho um problema muito sério sobre socialização na rua. Eu sou desorientada, tímida, parcialmente surda e míope. Então se é pra falar de constrangimentos na rua, eu tenho várias situações colecionadas.

 

Mas é inevitável: rua é lugar de encontrar gente. Quem você quer e quem você não quer, quem você conhece e quem não conhece.

 

Gente que é amigo a jato – Uma vez uma moça pediu pra eu ver o preço numa peça de uma loja, pois não conseguia enxergá-lo. Em menos de 3 minutos eu já sabia que ela tinha 4 filhos, que o INSS dela tava dando dor de cabeça e que ela não via a hora do Roberto Carlos lançar música nova. 

 

Gente que acha que é bagunça – A pessoa te vê na rua, começa a puxar um assunto aleatório, avista outro fulano (desconhecido) e decide chamar pra conversa também. De repente você não faz parte mais da conversa e vira telespectadora. Não quer dar as costas sem se despedir, então fica ali com cara de tacho enquanto socializam, ensaiando fugir. Ok, eu admito que já dei as costas e fui embora. Até hoje acho que não perceberam.

 

Gente que te faz lembrar de coisa que não deveria – "E aí, e o fulano? Terminaram mesmo? Aquela sua prima já se curou da amigdalite? Sua tia avó tá de luto ainda?"

 

Gente que você não queria ver – Sabe aquela pessoa que você torce para que os deuses da socialização esporádica não se revoltem contra você e não te faça essa agradável surpresa? Então, às vezes eles são bem fanfarrões. Vai colocar a ex do seu atual no mesmo dia da sua consulta no ginecologista, por exemplo.

 

Gente que lembra de todo mundo (e gente que esquece…) – Uma vez uma moça me parou no mercado, sabia meu nome, que eu tinha um filho, perguntou do meu trabalho e até hoje não sei quem era. O fato é que ela sabia bastante de mim, mas dela eu não sabia nem da onde conhecia. Minha teoria é que é daquelas pessoas que lembram de tudo e de todos. Nunca cometa nenhum tipo de crime perto de uma dessas…

tirinha

inclusive acontece com bastante frequência

 

 

E aí… quenhé você na rua?

23 Comments

  • Ohara

    Oi re! .. a, nem sei se recomentei, até escrevi um la mais como minha net não tava la das melhores, vai saber aonde foi parar: risos: um.sou orrivel
    pra socialização e distraida pra caramba, rio sozinha de qualquer coisa, e fala com qualquer um que vê na rua se não estiver distraída, risada: haha.
    Efalo sozinha tb.rs haha.
    bjos bjos bjos!

  • Grazy

    Quando eu vou pra minha cidadezinha lá no interior passo por cada uma com gente da rua… O principal tópico é “quando vai vir o neném?”. Sou gorda gente e não pretendo neném não, hahahahaha.

    Beijos Rê!

  • Wanila

    Hahahah, eu sou a que não lembra das pessoas, definitivamente! Vira e mexe alguém chega e me pergunta mil coisas (frequentemente sobre meu pai, que faleceu tem 4 anos) e eu falo tudo. Mesmo sem ter a mínima ideia de quem seja. Também sou adepta do sorria e acene.

  • Stephanie Ferreira

    Vou contar que uma vez eu estava no onibus e sentou uma senhor do meu lado, perguntou da minha mãe, da minha avó, não sabia que minha avó tinha falecido e ficou super triste, perguntou como tava minha vida em Minas (eu tava em sp nesse dia) e papo vai papo vem, mandou abraços pra família toda se despediu e até hoje não tenho a minima ideia de quem seja ¯\_(ツ)_/¯
    HHAHAHAHAHA
    Um beijo Rê

  • Mônica

    Na rua eu só ando de óculos de sol e fone de ouvido já pra evitar esses constrangimentos, hahahahahaha brinks!
    Eu sou bem tímida tbm, mas eu tenho uma cara tão fechada que quem acaba com medo de socializar são os outros, e não eu 😛

    Bjs bjs
    PS: E quando você encontra a atual do seu ex em todas as esquinas da cidade? MOLIER QUE ÓDIO!

  • Mayara Soares

    Na rua sou uma pessoa cega, estabanada e tímida kkkkk
    Sempre acontece algo de eu derrubar minhas coisas e ficar com vergonha, ou esqueço algo. Ah, também ‘fujo’ quando vejo alguém desagradável e quando não tô afim de conversa e sei que a pessoa vai demorar no papeado.

    beijo :*

  • Anna Kuhl

    hahahaha, eu amo esses posts do cotidiano <3
    Me identifico nos opostos, da pessoa que adora encontrar gente que pega na cunversa, adoooro conversa com estranhos, ontem mesmo bati o maior papo na papelaria, que veio da historia dos livros de colorir e foi até arvores genealógicas, hahaha. E à vezes naquela pessoa que foge e morre de medo de encontrar gente *chata* na rua, principalmente no bairro onde eu trabalho.

    Beijão, amei a tirinha <3

  • Mariana

    Eu sou a anti-social, às vezes por querer e muitas vezes sem querer! Já ouvi de conhecidos que me viram na rua que eu “estava com cara de brava” ou então “não ouvi quando me chamaram”. Lógico, só saio de fone de ouvido na rua! E quando encontro alguém que me conhece mas que eu não lembro quem é, eu faço a super sincera e pergunto de onde a gente se conhece. Outro dia passei momentos de terror quando parou um caminhão e começou a buzinar pra mim. UM CAMINHÃO, GENTE. No outro dia o cara passou na fábrica e falou comigo. Era o moço da reciclagem. Mas que Deus não permita que eu saia de casa e encontre semi-conhecidos. Eu geralmente saio de casa com uma meta traçada, por isso tenho pavor desses desvios não planejados hahaha!

  • Alessandra Rocha

    Nossa, sou mestra! E detesto estranho que vem puxar papo comigo aleatóriamente, a ÚNICA vez que eu amei foi quando uma velhinha me perguntou quantas estações faltavam pra Tiradentes, porque ela tinha que ir visitar o santinho dela na igreja que ela fazia todo e era uma amorzinho, mas de resto.. Por isso que não saio de casa sem fone de ouvido e de preferência com óculos de sol, porque aí posso ver que não vi nem ouvi ninguém haha sou super anti-social, credo

    beijo!

  • Carla Nascimento

    Sou super desnorteada na rua. Quando estou de fones de ouvido mesmo, todos a minha volta são invisíveis, pareço uma maluca olhando pro céu, corro atrás do povo pra entregar coisas que eles derrubaram e os assusto pela abordagem.
    Odeeeio quem puxa assunto em transportes públicos gritando, aff.
    Ainda gostaria de adicionar que além de não querer encontrar algumas pessoas, me escondo super porque sou ótima fisionomista, reconheço as faces, por vezes até lembro do nome de gente que não vejo desde os 6 anos de idade, mas não sei de onde diabos conheço aquelas pessoas.
    E quando você encontra um amigo de infância um dia e entra naquelas conversas de resumir sua vida em 5 minutos porque depois nunca mais ver a pessoa, dai encontra ela de novo no outro dia e não quer repetir a dose? Sorriso amarelo pregado na cara.

    Adorei o post e a Vitrola colorida no header <3

  • Amanda Welp

    Rê, eu me vi nessas situações hahahahha JURO
    Tem ainda aquela situação quando tu ta acompanhada com uma pessoa e daí encontra outra e essa segunda fala de um assunto que a primeira não deveria saber. (Pior ainda é quando tu é a pessoa que fala as coisas.)

  • Raquel Leal

    Eu sou do tipo desorientada, distraída pra caramba, ando falando sozinha e rindo sozinha, tanto que uma vez um cara falou: “Está rindo do quê, linda?”. Nossa, eu quis morrer de vergonha. Isso quando não estou tão distraída com meus pensamentos que esqueço de cumprimentar algum conhecido, pago cada mico. rsrsrs

    =*

  • Eme Souza

    Me revi totalmente nesse post, principalmente no primeiro parágrafo XD Vejo com mais facilidade um passarinho fazendo algo engraçado num ramo de uma árvore do que fazer reconhecimento de pessoas na rua. Já cheguei a ver vários atores de telenovelas, mas ao mesmo tempo fico com aquela sensação de “era mesmo ou era alguém muitooooo parecido?” e aí fico olhando/encarando demasiado tempo só pra tentar reconhecer, até que a pessoa vira a cara sentindo-se constrangida (e isso acontece com qualquer pessoa que eu reconheça ou acho que reconheço). Sobre a “surdez”, já fiz 2 exames auditivos e falaram que minha audição está “dentro do normal” o que é certo é que do que falam pra mim, só consigo ouvir entre 80 e 90% das coisas. Pior ainda, como sou muito desorientada, acabo andando em zigue-zagues pra me desviar das outras pessoas que se metem no meu caminho enquanto converso com outra pessoa (e aí, como sou de fraca memória, esqueço-me do que estava a falar). Por essas e por outras, odeio socializar na rua, é constrangimento atrás de constrangimento X) .

  • celle coelho

    sou míope e ando sem óculos 80% do tempo. daí a galera já acha que é bagunça, que to vendo tudo mas não quero cumprimentar. ok, 100% das vezes eu não quero mesmo, mas isso a gente releva HAHAHAHA
    pior é andar com a minha mãe, que conhece a vizinhança toda e juro, para de 10 em 10 passos pra falar com alguém, peloamor 🙁 HAHAH

    beijo!

  • Luísa

    KKKKKKK. Adorei o texto. Eu tenho um grande problema quando saio com fones de ouvido na rua. Eu não vejo ninguém. Depois a pessoa vem me cobrar que eu não cumprimentei ela, mas juro a ele(a) que não o(a) vi. KKKKKKK’ Acho que todo mundo já passou por situações assim na rua. Mas fazer o que ne?! 🙂

  • K A H

    HAHAHAHA, me vi. Principalmente no começo sobre ser míope e parcialmente surda. As vezes olho de longe e penso conhecer a pessoa, ai fico encarando pra ter certeza e não ignorar, só que fico naquelas de não sei se continuo olhando pra conseguir enxergar e ter certeza (se eu não conhecer, vai achar que sou uma louca) ou se viro a cara (se eu conhecer, vai achar que to ignorando).

    Sou mestre em não lembrar das pessoas. Esses dias um cara entrou no ônibus, me viu, sorriu, sentou do meu lado falou sobre trabalho, faculdade e tudo mais, perguntou da minha vida, todo simpático. Quem era? NÃO SEI. Mas a vida continua, né? HAHAHA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *