Gostosa NÃO é elogio

Gostosa não é elogio. E isso não é novidade. Quer dizer, até é. Vindo de uma pessoa muito íntima, num momento muito íntimo (e olhe lá), ou praquela comida que tu fez/comeu e tava … gostosa. Pra cacete. Fora isso, gostosa é só um alarde, uma invasão mais do tipo "epa, pera, quem te autorizou?"

 

Eu vi o desabafo na timeline de uma amiga outro dia, e fiquei triste. Por ela, por mim, e por todas as mulheres que são obrigadas (pois é… achava que tínhamos escolha?) a ouvir isso a coisa pior na rua. Até a coisa menos piores, mas acompanhado sempre de um olhar que chega fazer desejar lá no fundinho ter nascido com super poderes de explodir cabeças. 

 

Os homens se defendem. "Tem mulher que gosta". "Tem mulher que pede". "Tem umas que dão até um sorrisinho". "Eu sou homem, poxa, homem mexe mesmo, não se controla".

 

E aí nós vemos que somos apenas parte de uma roleta-russa, né? Uma hora eles acertam. Azar o nosso se não acertou na nossa vez. 

 

Não vou dizer aqui que tem homem que salva, vejo tão raramente que a memória até falha. Desculpa. Irmão, pai, marido, não importa: todos foram perfeitamente moldados a visualizar mulheres como pedaços. "Olha aquela coxa". "Olha essa bunda". Embora eu seja casada e tenho um relacionamento que vai bem, obrigada, é ÓBVIO que eu ouço coisas que me deixam desacreditada às vezes, e tenho que ter muita paciência, pois olha… não é fácil ser mulher num mundo machista a cada milímetro do nosso corpo e espaço.. 

 

Já contei aqui a historinha traumática de quando eu era criança, esperava uma declaração de amor de um amiguinho que era super fofo e ele apenas elogiou minhas coxas, né? Oito anos de idade, isso em 95. Alguém ensinou pra ele que isso era um baita elogio para uma menina. Os amigos riram. Ele se sentiu rei. Eu tive vontade de chorar e quis sumir.

 

Eu não espero que algum homem entenda ou leia esse recado, já que a maior parte das leitoras do Mulher Vitrola (95%!), é de mulheres. Então,  digamos que isso é uma conversa entre nós, ok? E embora eu ache cada vez mais essa situação um absurdo, foi numa tarde de reflexão que eu tive que aceitar que é um FATO, que vamos tropeçar com isso muitas e muitas vezes por aí e precisamos saber como nos erguer. E para isso temos que estar unidas, e não umas contra as outras. Combinado?

 

Cao4gz5

 

Imagem da campanha "Chega de Fiu Fiu"

 

 



22 thoughts on “Gostosa NÃO é elogio”

  • Muito bem, é mesmo importante lembrar desse assunto, nesse cenário de fiu-fiu e gostosa pra cá e gostosa para lá, estamos esquecendo que existem homens que dariam qualquer coisa para fazer isso, e porque não fazem? Simples baixa estima e auto-confiança abalada por causa da ejaculação precoce, disfunção erétil ou falta de desejo sexual e libido. Por incrível que pareça 3 ou 4 homens em 10 tem esse problema, então é possível que as cantadas tenham diminuido, rsss. No site http://drdesempenho.com/ tem inúmeras dicas, truques e sacadas para quem quer se livrar desse problema.

    Um grande abraço.

  • Quando vamos começar a criar meninos que entendam e respeitem as meninas? Isso também é nossa função como mãe, tias, madrinhas… Chega de me sentir como pedaço de carne exposta na rua esperando ser "comida" por alguém que ache q eu presto. #cansada

  • eu fico muito feliz em ver que, cada dia mais, tem mais mulheres incríveis espalhando esse tipo de coisa por aí, de verdade – mas ao mesmo tempo, me dá um desânimo em ver que são tantos e tantos relatos de machismo, de absurdos… mas juntas a gente é mais forte, né? temos mesmo que ir nos ajudando! <3

  • Muito importante lembrar desse assunto. Unidas somos mais fortes! Com certeza, mundo machista ainda existe e uma pequena parcela de mulheres que acham normal receber determinadas "cantadas". Lembrar que vivemos em um monte onde quase tudo evolui, menos a mente masculina machistas.

  • Infelizmente essa cultura machista de merda nos submete a esse tipo de patifaria. Homem acha que mulher tem que se submeter a todo tipo de merda que eles acham ser o certo. É mandar tomar no cu e seguir a vida infelizmente :/

    bjus!

  • Eu desenvolvi muito cedo, sempre tive peito grande e com 12, 13 já “elogiavam” o meu corpo, mas o que mais me incomodava, era o que o meu cunhado fazia e todo mundo achava normal… Ele me chamava de gostosa sempre, tanto faz se estávamos sozinhos ou se tinha gente em volta, às vezes até pessoas que eu mal conhecia. Também tinha o hábito de bater na minha bunda, falava sobre a minha sexualidade, quando eu era virgem ele SEMPRE falava disso nas festas e meio que me oferecia pros amigos dele; além de entrar no meu quarto durante a noite, quando eu morava com ele e a minha irmã. Até hoje eu durmo toda enrolada no cobertor, mesmo sozinha, pq ainda guardo a sensação de dormir sendo observada. Várias vezes acordei com ele entrando no quarto, por qualquer motivo idiota.
    Como não houve estupro, para todas as pessoas com as quais eu reclamava, estava tudo bem, não era nada demais, eram só brincadeiras, afinal, ele me conhecia desde os meus 2 anos. Para mim era horrível, sempre. Não foi por isso que parei de falar com a minha irmã, sempre tivemos outros problemas, mas hoje eu sinto até um alívio por não conviver mais com eles dois. Estou livre de passar todo aquele sufoco, me sentindo desconfortável na casa da minha própria irmã.

    • Nossa, Bianca, que história barra, cara 🙁 Deve ter sido muito difícil passar por isto, queria te dar um abraço agora. E isto nos mostra um ponto importante: como as situações de assédio sexual estão nas famílias, e extremamente veladas em defesa do grupo unido. Cara, não. Se tem um caso de assédio desses, eu nunca mais falo com a pessoa ou deixo ela entrar na minha casa. Familia é quem nos acolhe e nos deseja bem, e essas situações precisam ser melhor trabalhadas na mídia para que mais famílias tomem consciência, poxa.

      • Obrigada pelo apoio, Ana. Minha irmã achava engraçadas as “brincadeiras” do marido, minha mãe, após ver que ele entrava no meu quarto, me dizia pra eu me cobrir à noite, pra “não ficar com a bunda de fora”. A mulher SEMPRE é culpada, eu era a chata da família, por reclamar de alguém tão legal, que me conhecia desde criança. Meu cunhado é aquele tipo de pessoa que se dá bem em todos os ambientes, que todos adoram, porque ele é engraçado, simpático.
        Infelizmente muitas meninas passam pelo mesmo que aconteceu comigo e ainda tem gente que diz que não precisa de feminismo…

  • “A cada passo pra frente, três pra trás”, né? Essa é a sensação que eu tenho com cada pequena conquista das amigas e de outras mulheres que vejo por aí, com cada cara que a gente consegue fazer compreender esses conceitos tão básicos. Só pra logo em seguida ouvir algum comentário nojento ou um “feminazi” de pessoas próximas. Dói, mas gosto de pensar que um dia a gente chega lá – não nos 100%, isso nunca vai acontecer, mas se isso já não for mais corriqueiro eu fico feliz.

  • Eu queria poder responder a esses caras, dizer o que realmente quero dizer e não fingir que não ouvi ou que não foi comigo. Mas eu tenho muito mesmo de uma reação que parta pra algo físico, ainda mais ouvindo e lendo cada história de gente sem noção. Pior que isso afeta até no meu modo de vestir, nunca uso um vestido, short ou saio curtos, porque ando muito à pé, e toda vez que saio, o número de “elogios indesejados” aumenta… Então sempre saio de calça, mesmo no calor. 🙁

  • “Tem mulher que gosta”. “Tem mulher que pede”. “Tem umas que dão até um sorrisinho”. Aquele momento em que certos homens perdem a chance de ficar calados. Mas parece que isso nunca vai acabar. As vezes é melhor fingir que nem ouviu, porque né, nunca se sabe a reação de um cara desses :/

  • Já passei por cada situação que meu único sentimento foi de raiva, querer partir pra agressão mesmo, sabe?! Não sei o que se passa pela cabeça dos homens porque além de ofensivo é algo que nos faz sentir suja, nos reprime, parece que a gnt tem que ser menos mulher pra poder merecer um pouquinho mais de respeito.
    Qualquer dia desses também vou escrever sobre isso lá no blog, há dias tava com essa ideia na cabeça.
    Beijo.

    http://soudoresouflores.blogspot.com

  • Esses dias eu grávida com um barrigão enorme, cansada também fui assediada na rua, me senti tão mal, tão desrespeitada. Não que mereça mais respeito por estar grávida, porque devemos ser respeitadas em qualquer situação, mas poxa eu numa fase tão linda  e que ficamos tão frágeis,com certeza não é isso que queremos. Na primeira vez cheguei em casa e chorei,na segunda(pasmem tem homens que tem tara por grávidas )mandei tomar no c* e cheguei em casa feliz.

  • Alguns (a maioria?) homens são tão presunçosos… Como se fôssemos criadas para sermos reafirmadas por eles, eu hein.
    Detesto qualquer cantada, ás vezes estou tão estressada que faço uma cara de serial killer de volta, mas a vontade é de mandar pra alguns lugares…

    Normalmente, quando acontece, eu finjo que nem escutei.
    Afinal nem vale a pena né
    Fico bem revolts mesmo com isso hihi

    xero grande

  • Essa imagem com o DISSE NINGUÉM é simplesmente uma das melhores coisas que já inventaram nessa internet.

    É muito triste que muita gente ache bobeira falar sobre assédio e sobre a mulher ser tratada como objeto.
    Acham que só pq podemos vestir o que queremos sem sermos apedrejadas está bom.

    Mas estamos muuuito longe do mundo ideal onde as pessoas se respeitam.

  • Mesmo sendo alguém com quem me relaciono, quando alguém diz que sou “gostosa” me sinto uma coisa, sabe? Me desumaniza. Não sou um pão com ovo. Não sou apenas um corpo, sem subjetividade, que está ali para satisfazer o homem, como uma comida faz. Sou mulher, sou um ser humano. Pena que a sociedade é baseada no machismo e que pouquíssimos homens sacaram que elogio é tratar a mulher como uma igual, não como coisa. :////

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *