Para nosso pequeno dinossauro

Há três anos atrás, eu tive a oportunidade de conhecer alguém muito especial. E até soa meio óbvio você citar "especial" quando se trata de filho, afinal, que filho não é especial? Mas o Quim foi um especial com acréscimos, por assim dizer. Ele me mostrou tantas coisas em apenas 6 meses que, todos os dias me pergunto em que ele transformaria a minha vida se não tivesse partido e esses seis meses fossem na verdade, 6, 15, 20 anos… que tipo de pessoa eu seria? Existe um ponto final para as transformações das nossas vidas?

 

Três anos depois, tanta coisa mudou… e com o passar dos anos, é quase inevitável que a perda quase vire um "segredo". As pessoas que sabem, procuram não mencionar com medo de dizer algo que magoe, que traga lembranças ruins. Já conversas com recém conhecidos, você acaba, por facilidade, não mencionando detalhes que precisem ser explicados. É como um apego e egoísmo com as memórias, que você quer às vezes que sejam só suas (mesmo sabendo que é uma tarefa quase impossível… coisas de mãe).

 

Eu já passei por uma fase que pensava "será que sempre serei marcada como a mãe que perdeu o filho?" e passei entender o motivo de querer manter esse segredo, quando ainda não conhecia muito bem a pessoa. Como se fosse um recomeço todas as vezes. Até que percebi que algumas marcas de nossas vidas, realmente, não podem ser desmarcadas. E isso não importa muito quando você sabe que pode sempre recomeçar sua vida. Nós somos feitos de recomeços… e eles podem ser feitos todos os dias.

 

Dia 19 de julho, foi o dia do aniversário do Quim. Esse sempre será o dia do aniversário dele, pois eu sequer gravei outro tipo de data. E apesar das memórias que teimam em querer se despedir da mente, conforme o tempo passa, eu sonho e imagino com ele com sua respectiva idade. É como se ele ainda estivesse crescendo aqui comigo, só que mentalmente. Eu posso descrever seu andar, seu toque, suas feições… se a memória falha, pelo menos há criatividade.

 

Como a maioria das crianças, o Quim tinha um apelido carinhoso, e eu nem sei bem dizer como ele surgiu. Do dia para  noite ele virou um Dinossauro. Nunca perguntei se ele gostava de ser um Dinossauro, mas ele sempre ouvia de forma muito "atenciosa" quando o chamávamos assim. Nosso "ninosauro" também não existe mais no mundo, assim como todos os outros dinossauros. Mas por aqui eu posso garantir que a sua breve existência deixou bem mais que memórias que vem e vão… 

 

dinossauro-colar-2

agora eu carrego um dinossauro por aí…

 

ndinossauro-colar-1

com amor, para Quim ♥



25 thoughts on “Para nosso pequeno dinossauro”

  • Uma coisa que dizem sobre isso e é muito verdadeira: quando um filho perde os pais, ele fica orfão, mas quando os pais perdem o filho, não tem nem nome pra definir.
    Ninguém espera, não é a ordem natural dos acontecimentos e, agora por ser mãe, é uma dor que eu não imagino qual seja o tamanho real, mas já me dói só de ouvir falar.
    Impossível não chorar junto.
    Mas, apesar das lágrimas aqui, coisa mais linda esse post.
    :’)

  • Acompanhei sua historia com o Quim e ate hoje fico emocionada! Você é sem duvidas uma mulher forte!Posso te fazer uma pergunta? Já perguntaram se você teria outro filho para de certa forma “preencher” um pouco do Quim, sei que um filho é insubstituível, mas mesmo você tendo o seu outro filho, perguntas assim ainda surgem? Desculpa a indiscrição, mas sempre me pergunto o como você lidou com tudo, já ouviu falra que Deus da filhos especiais a pessoas especiais? Com certeza você é uma pessoal mais que especial, é incrível!

    Com carinho, nina!

    Beeijos floor :*

  • Rê, vale chorar?
    Porque eu não encontro palavras pra te falar :s
    Tão linda a forma como você guardou o Quim, tão emocionante…
    E eu tb tenho dois colares como o seu, sempre que usar vou lembrar da sua história, de recomeço, e de pessoas especiais que já se foram!

    um beijo, cheio de carinho.

  • Fico até acanhada de sempre estar por aqui/ face te elogiando, mas é que tenho uma admiração tão grande por essa menina de cabelos vermelhos, tão pura e verdadeira em cada palavra e por ter mais de 50 aninhos aprendi, que só os fortes recebem e suportam certas missões, bjus do meu coraçãoooooooooo

  • Acho que toda perda nos trás este sentimento, nos faz querer “guardar para nós”. Eu não sou mãe ainda, mas sempre convivi desde pequena com este sentimento (minha avó perdeu meu tio quando ele tinha 18 anos)…é totalmente compreensível e, na verdade, o seu dinossaurinho vive e viverá para sempre no coração de quem o ama ♥

    Obs: isto inclui suas leitoras que acompanharam o Quim desde a barriga, ok?
    🙂

  • Nossa Rê, que coisa, né?

    Eu acredito que na nossa passagem por este mundo, sempre temos algo pra aprender. Já parou pra pensar que talvez o Quim tenha vindo ao mundo somente pra te lembrar que as perdas existes? e que se não deixarmos o orgulho de lado e realmente dermos valor aqueles que nos cercam e nos amam poderemos perde-los e pensar pelo resto de nossas vidas porquê não agimos diferentes? Pq não pudemos fazer nada para mudar?

    Entretanto, o seu Dino sempre vai ser ter um cantinho de conforto no seu coração. E talvez, posso estar enganado, ele seja um dos poucos com quem você conversa baixinho em forma de oração. 😉

    Bjao! Saudades!

  • Oi Rê!

    A minha experiência com perda é diferente, perdi minha mãe 4 anos atrás.
    Não posso, e nem quero, comparar as nossas situações, pois cada experiência é única. Mas é sempre inspirador pra mim ver pessoas falando de perdas com tanta tranquilidade, pois a vida continua e nós temos que continuar vivendo. As pessoas que amamos e partiram terão sempre um espaço no nosso coração, cheio de saudade e amor, mas é melhor dar mais atenção ao amor do que à saudade.

    Desculpa o desabafo. rs Só queria dizer que te desejo o mesmo que desejo para mim: sempre muita força, muito amor e muita paz para lidar com a vida.

    Um beijo de quem te lê há um tempo e fica achando que te conhece. rsrs Ana.

  • Oi, Re. Quase não comento aqui, mas conheci seu blog justamente por causa do seu pequeno Dinossauro. Estava lendo uma resenha do Tagarelando, sobre o livro Extraordinario, e vi uma referência ao Quim lá. Cheguei no seu blog e me apaixonei por sua escrita, o seu jeito, a pessoa que você parece ser (digo parece porque não nos conhecemos, mas acredito que seja desse jeitinho mesmo). Emocionante o seu texto e é linda a homenagem. Acredito que o Quim te acompanhe sim, ele é parte de você para sempre.
    Obrigada por nos mostrar que é possível recomeçar sempre.
    Força e luz sempre!
    Beijos.

  • Rê…….Que lindo, emocionante, cativante e intenso….
    É maravilhosa a sua capacidade que você de nos emocionar, eu ainda não sou mãe, mas o seus post’s em especial “TODOS” são lindosssss….

    Eu acompanho você há pouco tempo, e não deixo de passar por aqui nenhum dia se quer….
    Este post para o Quim, foi lindo, retornei aos post’s anteriores e li todos novamente a sua história é realmente de uma guerreira, lutadora e etc..

    Linda….Continue nos presenteando com suas palavras maravilhosas……

  • Lindo, lindo texto. Você fala com leveza do seu dinossauro, não há como não se emocionar. Essa dor, só você sabe senti-lá, assim como esse amor de mãe que só você e o Quim compartilharam. Uma relação para a vida toda, exatamente assim como você está fazendo, mantendo viva, passe o tempo que passar.
    Não comento muito, mas já sofri um aborto e é dolorido pensar nisso, esses momentos de “como seria se”, sempre vem na nossa cabeça.
    Parabéns pela coragem do texto 🙂
    Bj no coração!!!

  • São 9 horas da manhã, cara. Isso não é hora de emocionar ninguém.

    Eu sempre fico sem jeito de comentar, quando converso ou quando falo alguma coisa, mas é como você disse, tem coisas que não precisam ser ditas. Vão ser lembradas para sempre e nada que a gente diga ou faça vai te fazer esquecer, e nem é essa a intenção, né.

    Fica aqui o meu abraço virtual para você que é uma das mulheres mais fortes que eu conheço (depois da minha mãe, né…vlw flw). Te adoro.

    <3<3<3

  • Re,

    Depois de ler e reler seu post, exatamente três vezes e as três vezes eu me emocionei e não pude conter as lágrimas. Eu acompanhei e lembrei de toda história e o quanto você para mim é exemplo de mulher FORTE, GUERREIRA E SUA INTEGRIDADE É LINDA DEMAIS.

    Eu admiro muito sua pessoa , sou literalmente sua fã por tudo que você é, desde blogueira, amiga, profissional ilustradora, enfim Re, você é um ser maravilhoso que Deus caprichou. Você pra mim é exemplo de caráter e ser humano mais belo por dentro e por fora refletindo neste sorriso seu.

    Encontrar pessoas como você por aí não existe mais.

    O Quim é um anjo, veio e tão tininico nos deixou com uma saudade imensa rasgando o peito, torcemos e oramos junto com você. Certeza que no dia que ele voltou pro céu houve festas e onde ele estiver está ao seu lado te olhando e agradecendo por tudo que você fez por ele.

    Suas lutas, suas correrias, suas madrugadas, a amizade que na época você fez no Hospital. Lembro que você se locomovia para longe e faria o possível e impossível para velo bem e recuperado.

    Você é um anjo aqui na Terra e imagina o quanto você com este seu jeito doce, sorriso, garra e força e quantas mães você não ajudou????

    Re, você inspira a todas nós. Eu não sou Mãe ainda mas me inspiro muito em você.
    Seu blog amiga é um dos melhores que existe com as melhores qualidades que existe na web em minha opinião, desde 2000000 e tra lá lá quando eu tinha ganho meu primeiro domínio da Kelly Taia o strange-passion.com você já era blogueira desde sempre….amo te acompanhar…

    Obrigada por compartilhar sua ideias, paixões, sentimentos e sua vida conosco, eu fiquei muito tempo em off na blogosfera mas sempre companhado a RE VITROLA!!

    Re, você é uma pessoa diferenciada que amo demais… Beijões …fica com Deus e até mais…
    Gi.

  • O Quim foi muito especial, e pra mim também ele também teve um papel importante, afinal, ele motivou com que eu e a Vic nos aproximássemos novamente pra te acompanhar nessa jornada ♥ E mesmo tendo ficado somente 6 meses, foram suficientes para nos marcar, cativar e ensinar, coisa que algumas pessoas até com mais de 40 anos não conseguem.

    E pode parecer bobeira pra algumas pessoas, mas eu acredito que de certa forma, ele ainda te acompanha sim, independente de onde ele esteja, afinal, ele é uma das partes de você ♥♥♥♥

  • Que linda homenagem…
    eu também perdi um filho, estava com oito meses e meio de gravidez quando descobri que o bebê tinha ido embora.
    Foi terrivel na época, foi muito dificil passar por tudo aquilo, a gente nunca esquece um filho, mais depois que eu tive o meu outro filho consegui me consolar um pouco.
    bjossss

  • Eu não falo do Erik, as pessoas do meu convivo ficam sem graça quando falo. Acho que é por não saber reagir sabe.
    As vezes ainda eu fico muito mal, mas hoje dói bem menos.
    O meu nem foi para casa, mas ganhou um apelido carinhoso tbm.

    Eu acompanhei de perto toda a tua história com o Quim, e isso me deu muita força quando aconteceu comigo. Pq no inicio a gente pensa que é uma dor infinita, fica a marca pra sempre, mas como tu disse fica mais fácil quando a gente sabe que pode sempre recomeçar, e tu me mostrou isso! 🙂

    Bjs

  • Nossa, então já faz 3 anos que eu acompanho mesmo o seu blog? Gente! Como o tempo voa!! :O Eu lembro que já conhecia seu blog há tempo, mas sua história e a sua força me fez querer ser sua amiga. E eu vinha aqui sempre acompanhar cada post novo. E parece que foi ontem. :~

    Amei o dinossauro <3 Quando criança sonhava em ser paleontóloga para estudar os dinossauros!

  • Sabe Rê, eu acredito que as pessoas aparecem na nossa vida por alguma razão, um filho então independente do tempo que permaneça na nossa vida, sempre vem para acrescentar algo de bom, para nos ensinar algo. Quando vem a notícia da gravidez a gente já cria um amor platônico mesmo não pegando nos braços, meu filho teria hoje 14 anos, meu Gabriel que infelizmente nem pude ver seu rostinho, apenas puder sentir seus movimentos e ouvir a trilha sonora de seu coraçãozinho. Mas sei que Deus sabe de todas as coisas e que eu tenho um anjinho lá no céu, e hoje dois pentelhos me azucrinando, mas que sem eles eu não seria nada….
    Bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *