Tag: família

Insta  de Vitrola – Junho

Insta de Vitrola – Junho

Acho que meu junho durou uns três meses. Posso dizer que foi um mês super tranquilinho, cheio de surpresinhas agradáveis. E frio. E comidinhas de tempinho de cobertinhas que amo <3     1 ♥ Amor sempre me deixa inspirada e resolvi fazer um pôster […]

Ridijanêro, filhote e desvirtualizando…

Ridijanêro, filhote e desvirtualizando…

A cada visita ao Rio de Janeiro eu confirmo muitas coisas. Uma delas, é que eu tenho orgulho de onde nasci. Duque de Caxias pode não ser a cidade mais bonita, mais limpa (e bem longe disso), mas é a cidade que sempre me acolhe. […]

Para nosso pequeno dinossauro

Para nosso pequeno dinossauro

Há três anos atrás, eu tive a oportunidade de conhecer alguém muito especial. E até soa meio óbvio você citar "especial" quando se trata de filho, afinal, que filho não é especial? Mas o Quim foi um especial com acréscimos, por assim dizer. Ele me mostrou tantas coisas em apenas 6 meses que, todos os dias me pergunto em que ele transformaria a minha vida se não tivesse partido e esses seis meses fossem na verdade, 6, 15, 20 anos… que tipo de pessoa eu seria? Existe um ponto final para as transformações das nossas vidas?

 

Três anos depois, tanta coisa mudou… e com o passar dos anos, é quase inevitável que a perda quase vire um "segredo". As pessoas que sabem, procuram não mencionar com medo de dizer algo que magoe, que traga lembranças ruins. Já conversas com recém conhecidos, você acaba, por facilidade, não mencionando detalhes que precisem ser explicados. É como um apego e egoísmo com as memórias, que você quer às vezes que sejam só suas (mesmo sabendo que é uma tarefa quase impossível… coisas de mãe).

 

Eu já passei por uma fase que pensava "será que sempre serei marcada como a mãe que perdeu o filho?" e passei entender o motivo de querer manter esse segredo, quando ainda não conhecia muito bem a pessoa. Como se fosse um recomeço todas as vezes. Até que percebi que algumas marcas de nossas vidas, realmente, não podem ser desmarcadas. E isso não importa muito quando você sabe que pode sempre recomeçar sua vida. Nós somos feitos de recomeços… e eles podem ser feitos todos os dias.

 

Dia 19 de julho, foi o dia do aniversário do Quim. Esse sempre será o dia do aniversário dele, pois eu sequer gravei outro tipo de data. E apesar das memórias que teimam em querer se despedir da mente, conforme o tempo passa, eu sonho e imagino com ele com sua respectiva idade. É como se ele ainda estivesse crescendo aqui comigo, só que mentalmente. Eu posso descrever seu andar, seu toque, suas feições… se a memória falha, pelo menos há criatividade.

 

Como a maioria das crianças, o Quim tinha um apelido carinhoso, e eu nem sei bem dizer como ele surgiu. Do dia para  noite ele virou um Dinossauro. Nunca perguntei se ele gostava de ser um Dinossauro, mas ele sempre ouvia de forma muito "atenciosa" quando o chamávamos assim. Nosso "ninosauro" também não existe mais no mundo, assim como todos os outros dinossauros. Mas por aqui eu posso garantir que a sua breve existência deixou bem mais que memórias que vem e vão… 

 

dinossauro-colar-2

agora eu carrego um dinossauro por aí…

 

ndinossauro-colar-1

com amor, para Quim ♥

A família que eu escolhi (BC Fotos)

A família que eu escolhi (BC Fotos)

Dias atrás fui matar saudades do RJ e ver meu filhote e amigos. Como foi uma viagem rápida, não avisei com atecedência para não dar furo em ninguém (e ainda assim, dei um semi-furo para as amigas Rogéria, Fernanda e Rose, rs. Desculpem meninas!). Recebi […]

Qual é o país que você quer para os seus filhos? #protestomaterno

Qual é o país que você quer para os seus filhos? #protestomaterno

    Parecia que levaria um século para que o povo se manifestasse contra insatisfações. Parecia coisa de gente entendida, politizada. Parecia  que era coisa que só acontecia nos filmes, ou de outros tempos. Parecia que quem já travava guerra há tempos, estava sozinho.   […]