Tag: pensamentos

As definições de mudanças foram atualizadas!

Minha mãe sempre me dizia "nunca diga nunca" e, apesar de achar mais um daqueles conselhos para levar pra vida, eu confesso que deixava ele um pouco "de lado" em alguns momentos.

 

Eu percebo que temos uma séria tendência a medo das mudanças. Eu tenho aos montes! Mas mais que medo de mudanças, temos medo de nos sentirmos bem mudando. Há uma certa culpa que ronda quem não se estabiliza num "finalmente", quem não define um para sempre. E há quem sempre nos lembre: "oras, mudando de novo???"

 

Eu já deveria saber que na vida de uma pessoa que ama mudanças capilares, "nunca" não é o tipo de palavra que deve ser mencionada. Quando saí do ruivo cereja, eu posso não ter dito, mas pensei: ruiva, nunca mais. E esse "nunca" durou apenas um ano…

 

O que dizer então do persistente azul (que virou um verde totalmente não-intencional)? Esse sim: disse para minhas amigas que tinta fantasia nunca mais. Mas depois de ter acostumado com ele aqui, olhando para mim e eu olhando para ele… decidi que tinha chegado a hora dele fazer parte de toda essa brincadeira pra valer. E quer saber? Já me imagino saindo do ruivo, de cabelo todo rosa, ou todo azul… rolou um desprendimento, sabe? Ponto pro cabelinho verde!

 

Independente do que digam, e até mesmo do que você pensa, mudanças nem sempre serão planejadas. Ela é mais um passo que você dá rumo a uma vontade que pode nunca ter dados as caras oficialmente, e quando você se der conta, opa, tá na hora de decidir! O importante de tudo é você se sentir como se estivesse cercada de almofadinhas para todos os lados assistindo mais um episodio da sua série favorita: bem confortável. E se bater vontade de mudar a programação, independente do que vão te dizer… pegue suas almofadas e vá em frente!

 

De volta ao ruivo e update no verdinho, e ah, meu óculos novo! ♥ (sim, tô mei descabelada e ainda tava com cara de sono matinal xD)

 

O que eu usei:

 

(pra tonalizar o ruivo)

60ml de água oxigenada

Mix 0/43 color perfect

Creme branco

 

(pra tonalizar o verde)

Ice blue da Alfaparf (tonalizante que dura horrores no cabelo, haha! – use com moderação!)

Um pouquinho de mix 0/43 (pra ficar verde)

Creme branco

 

Misturei as receitinhas (separadamente, óbvio) e passei no cabelo lavado apenas com shampoo. Deixei cerca de 30 minutos, enxáguei e passei condicionador como de costume.

Tão bom que vende

Um dia estava pensando que, além de individualmente sermos responsáveis por nossas escolhas e incentivos (seja para o que for), há o fator bônus: as pessoas que nos cercam. Sabe, aquele empurrãozinho que às vezes falta ou dá o ar da graça? Então.

 

E é graças a essas pessoas que me cercam que, se eu não fosse ilustradora, certamente teria escolhido o lado da culinária como profissão, assim como uma boa parte das mulheres da minha família. Tudo por causa de uma frase que me perseguiu durante anos: "Você é boa nisso. Já pensou em vender?"

 

Nem tudo é lucro, meu coração pisciano e sonhador apita e prioriza isso mais do que qualquer coisa, e eu sempre respeitei. Mas isso sempre soou para mim como um bom elogio. É um aval de "isso é tão bom, que eu certamente compraria". 

 

Aí dia desses, fiz uma esfiha que admito, ficou MUITO boa. E eu sou super auto-crítica, ok? Marido após liberar uma expressão que mataria Ana Maria Braga e seus ímãs barulhentos de bichos com inveja, soltou um "Olha… dá até pra vender, hein?"

 

deal-with-it-cat11

 

Talvez sim. Mas nada compra a satisfação de fazer algo que se sente bem e saber que alguém pagaria por aquilo. Mesmo que você não venda.

 

(a culinária é só um hobby, mas a receita das esfihas tem aqui e só custa um clique)

 

este post faz parte do BEDA #ROTAROOTS

 

Vitrolinha… platinada!?

Assim como a maioria (acho?) das pessoas que vivem no mundo, fico analisando e buscando um sentido pra vidinha medíocre que a gente vive aqui. E eu sou tão pensadora, sabe? haha! Eu sou do tipo que me perco nos meus pensamentos de verdade. Vez ou outra tenho umas crises, tipo quando faço um desenho e minha vontade maior é de apagar e começar tudo de novo!

 

Então às vezes me sinto flutuando entre as pessoas, só observando, com o maior cuidado do mundo pra não esbarrar em ninguém. Só vendo como tudo funciona, e buscando no meu ritmo um cantinho bacana pra me acomodar. Você também se sente assim?

 

Outro dia tava vendo aquele aplicativo do Facebook que recorda momentos e fiquei boba como muitas das coisas batiam, como se fosse um ciclo. Aí olhei outro dia: também bateu. Aí olhei ontem de novo, e bateu num nível: ontem estava fazendo pizza, no mesmo dia do ano passado eu também estava fazendo pizza. Que doideira. Fiquei pensando cá com meus botões: será que é isso? tudo vai se repetindo, repetindo… até a gente acabar? Esse jogo da vida é tão simples assim, cheio de oportunidades de aprimoramentos?

 

Filosofias de gaveta à parte (gente, não uso drogas, só durmo pouco e tenho sonhos bizarros, viu?), ontem cismei que tinha que mudar a mascotinha do blog. Eu tinha um apego com ela, mas poxa, já era. Tô em outra fase, nada mais justo que uma nova mascotinha pra representar. Sentei a busanfã e só saí quando finalmente nasceu a nova Vitrolinha, versão 3.0.

 

vitrolinha-topo

 

Pra quem ficou em dúvida, vou explicar: tô platinada não, "calmem"! É que eu mudo tanto de cor de cabelo, que na hora de pintar a ilustração… eu não sabia qual cor colocar. E na real, se eu não pinto essa bagaça aqui todo santo mês, viro quase uma Tempestade do X-Men, sérião. Então pensei: é, vai ficar em branco. Imaginem que é tipo o livro de colorir, e vocês pintam mentalmente a cada cor de cabelo que eu estiver, tá? hehe

 

Mas é importante: e aí, vocês gostaram? (quem falar que preferia a outra vai voltar 10 casas, se liga aê xuxu)

UPDATE: Segui a sugestão da Talita nos comentários e fiz um GIF! hahahhaha. Adorei a sugestão, Talita, muito obrigada! Vocês são geniais demais ♥