Terapia Snapchat da vida mais interessante

Outro dia teve uma galera falando de um tal Snapchat. Fiquei curiosa, instalei, desinstalei, depois desinstalei de novo. Não tinha conseguido usar e coloquei aquela desculpa boba de "ah, tô velha demais pra aprender a usar essas coisas".

 

Sinceramente? Isso no ecxiste. O que existe é uma certa resistência às coisas novas e um bocado de preguiça. Coisas que nós da geração y tem feito aos montes, sem nem se dar conta. Sei lá vocês, mas no futuro, quero ser uma pessoa que não parou no tempo e que usa novos aplicativos (ou seja lá o que existir na época).

 

giphy (1)

"precisa de mais alguma coisa?"

 

Mas voltando ao Snapchat (que agora eu sei marromeno como usa, viu) eu chamo de Instagram sem apego. Você posta lá uma foto ou vídeo, as pessoas vêem e pluft, ele apaga o conteúdo. Um amiga até sugeriu algo bem interessante: usar o Snapchat para colocar as fofocas com as amigas em dia, sem deixar registros. Taí… uma boa.

 

O conteúdo do Snapchat parece um curta independente da vida alheia: a comida, o gato, a viagem, a ida ao mercado. Coisas do seu dia-a-dia mesmo. E por isso, tive que dar uma visão Pollyana*  para achá-lo interessante. Na minha opinião, foi como dar um novo olhar aos pequenos momentos, que facilmente julgamos blé. Eu julgo os meus, o tempo todo. Não faço viagens, não moro no bairro badalado, não tenho a malemolência dos vídeos entre outras coisas que me fazem sentir como tendo a vida mais paradex de tudo. O que eu faria no Snapchat, então? Mas quem disse que eu não podia? (ok, eu disse, já sei…)

 

De qualquer forma, lá estou. E acho que me apeguei pela prática, pela quebra, pelo descompromisso. E sua vida, tá sendo interessante e bombástica? Ou tá precisando de um novo olhar? Então vamos de terapia Snapchat. 

 

Pra quem ficou perdidão, ou ainda está (eu fiquei, admito): A Bia fez um resumo de links que pode te ajudar.

E para quem quer me seguir lá e ver as coisas que posto (não tem nudes, garanto), adivinha? mulhervitrola, claro. Sim, tem gatinhas.

 

*Pollyanna é a história de uma menina que enxergava tudo "cor de rosa", e que sempre acreditava no melhor da vida e das pessoas.

 



17 thoughts on “Terapia Snapchat da vida mais interessante”

  • Acho que todo mundo que instalou snap, instalou, desinstalou e fez isso pelo menos umas três vezes, eu fiz isso, porque eu tinha um samsung pocket que não tinha câmera frontal e não dá pra ser a louca do snap apenas com a câmera de trás, aí instalei no tablet mas o problema foi o mesmo. kkkk, até que ganhei um celular novo, decente, com câmera frontal e meus problemas todos acabaram. Enfim consegui postar no snap (êêê), tô gostando. te adicionei lá (camis_peixoto) beijooos

  • Eu tô curtindo bastante snappar, hahaha. Só não tenho muita paciência de assistir quando a pessoa pública trocentos vídeos seguidos de vários minutos… Daí perde um pouco da coisa efêmera. Mas pra capturar pequenos momentos do dia a dia é perfeito 🙂

  • Mas eu não fazia IDEIA do que é isso! hahahaha
    Gente, sou muito desatualizada. Porém, parece algo bem interessante, hein. Quem sabe quando eu tiver um celular que preste (o meu quebrou </3) a coisa não flua.

    Beijo! ;*

  • Segunda vez nessa semana que vi alguém falando de snapchat e resolvi baixar. Resultado: zero contatos cadastrados, fiquei bem impressionada. Agora tô seguindo feeds, mais claramente não vou aproveitar 100% por falta de interação.

  • Uma amiga outro dia disse que adora o snapchat pela falta de compromisso dele, e acho que resumiu MUITO bem como me senti. Dá pra ser ridícula, extravasar, compartilhar algum momento cotidiano e depois adeus, não existe mais – quem viu, viu; quem não viu, paciência. No comecinho também torci o nariz, mas acho que foi mais pela falta de amigos usando, então estava chatinho. Agora já me pego pensando “nossa, podia fazer snap disso” hahahah. Aliás, eu tenho você lá? Não tenho certeza… me adicionar: drkdiva <3

  • Ótimo post Re! Mas eu realmente sou muito analógica pra essas coisas. Mantenho um blog pelo prazer em escrever, mas de resto, tenho preguicinha de redes sociais… Minha irmã ainda tenta me fazer ter um facebook. Onde já se viu uma geminiana que tem preguiça de se socializar? rsrsrs

  • Ai Rê! Confesso que tenho uma preguicinha do snap que nunca nem tentei nada com ele! Acho que meio que garrei raivinha desse povo besta que fica postando as fotos do snap no instagram/facebook/twitter/etc mas enfim… Teu post também me deu uma outra perspectiva do app e pode até ser que eu instale ele pra ver qual que é! Pode ser… haha

    beijo!

  • Juro que tô tentando entender esse Snapchat. Ainda não entendi direito como faço para encontrar as pessoas e como faço para as pessoas saberem que existo nissoaê, mas vou olhar com carinho a sua dica do site com um monte de dica de links pra me ajudar nessa missão!

  • Nossa, gostei desse post, da sua análise do snapchat. Realmente podemos tentar fazer a vida ficar mais interessante com essas coisas pequenas. Aliás, eu acho que todas redes sociais servem pra isso…

    Não consegui usar o snapchat, e por enquanto meu ceular tá sem espaço pra instalar de novo. Mas quando eu tentar venho aqui te contar o que achei.

    beijos!

  • Pollyanna <3 confesso que jogar o jogo do contente me ajuda a segurar uns forninhos as vezes….

    PRECISAVA desse manual! Instalei o tal do Snapchat, olhei, bobolhei e não entendi nada! kkkk acabei desinstalando! Acho que vou dar uma segunda chance!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *