Na Cozinha

7 posts

Pão recheado VEGANO não-fit

Desde que “desenvolvi” alergia à leite (aplv), fiquei limitada à perdição clássica que são os pães. Não são todas as padarias que fazem pão sem leite ou sem contaminação (usar os mesmos instrumentos pode contaminar e dar reação alérgica).

Sobrou caçar receitas e fazer meus próprios pães. E caçar receitas veganas às vezes é chato: confundem muito vegano com FIT. Eu não sou fit, sou vegana e alérgica, haha! Eu quero FARTURA! Foi aí que resolvi experimentar essa receita que vi no canal das Viewganas e que se tornou minha receita favorita por sua versatilidade. 

Fica fofinho, levemente adocicado e vai bem com tudo quanto é tipo de recheio. Recomendo MUITO.

A receita completa da massa tá lá no canal delas: Pão caseiro vegano BEEEEM fofinho

Vou listar aqui os ingredientes apenas dos recheios que são de minha “autoria”:

Recheio de azeitonas

Pão vegano com recheio picante de  azeitonas pretas
  • 200g de azeitonas pretas
  • folhas de manjericão
  • 1 tomate picado sem sementes
  • pimenta chipotle ou outra de sua preferência
  • meia cebola roxa fatiada bem fininha
  • 1 dente de alho sem miolo
  • 1 colher de sopa de azeite
  • 1 pitada de sal (opcional)

Num processador, bater as azeitonas, o manjericão, o alho, o chipotle, o sal e o azeite. Na mistura, acrescentar a cebola roxa fatiada e os tomate picados. Espalhar na massa aberta e enrolar. 

ps: quem for de UBATUBA, o pacotinho de chipotle em pó venda na Verde Fit (Hans Staden).

Recheio do pão doce

Picar duas bananas de sua preferência (eu gosto da prata), adicionar canela, açúcar e castanhas do pará trituradas. Espalhar pela massa e enrolar.

Bom lanche!

Como fazer um cogumelo paris ou portobello maravilhoso

Eu gosto muito de cogumelos mas sei que tem gente que não gosta.

Mas não gostar de cogumelos pra mim é que nem gato, só existem dois tipos de pessoa: as que amam e os que nunca tiveram um. Não gosta de cogumelos? talvez você nunca tenha comido um gostoso de verdade.

Mas não vão pensando que sempre amei. Comi preparados horríveis, o que me impulsionou a tentar uma receita da qual eu me identificasse. Se no strogonoff eu os amava, então só podia ter relação com o tempero. Tão perto, tão longe.

Enfim, catei receitas e por pressa, acabei adaptando pra uma forma mais prática. Segue:

Você vai precisar de:

1 frigideira (de preferência antiaderente)

Páprica defumada, picante ou normal (eu coloco bastantão)

Shoyu

Coloque os cogumelos numa vasilha e jogue bastante shoyu. Como se fosse mariná-los, quase submersos mesmo. Na mesma vasilha, tempere com páprica defumada (picante ou normal, se não achar a defumada).

Deixe por uns bons minutos, até horas, se conseguir. Depois, aqueça uma frigideira antiaderente e vá arrumando os cogumelos na frigideira, de forma que todos toquem o fundo dela. Talvez libere uma água como na foto abaixo, mas não se desespere: ela vai secar e fazer com que eles fiquem com essa cor incrível e suculenta. Vá controlando o fogo.

SAMSUNG CAMERA PICTURES
SAMSUNG CAMERA PICTURES

Frite eles dos dois lados. O ponto é quando você perceber que a frigideira pode queimar. Desligue o fogo e é só saborear.

Eu ainda não tentei fazer de outra forma, mas pretendo. Em espetinhos ao forno, por exemplo. Ou numa churrasqueira. Certeza que ficaria divino.

Nem sei se essa é a maneira correta de preparo, ou certamente Gordon Ramsey estaria fazendo contorcionismos oculares e batido o record de “fuck” desde Scarface, mas fica realmente viciante!

10 coisas que aprendi depois que me tornei vegetariana

Sempre achei alimentação um troço muito pessoal: seu gosto, suas referências, lembranças, tudo ali, num pratinho, prestes a saciar sua fome (ou desejo).

E também acho alimentação algo muito mutável na minha vida. Tenho gostos que foram mudando com o passar do tempo, coisas que eu gostava e não gosto mais, e coisas que eu não gostava e hoje em dia como sem problemas. E recentemente, aconteceu o mais transformador: eu decidi virar vegetariana.

Claro que isso não foi uma ideia que surgiu DO NADA. Eu trabalhava isso na minha cabecinha há muito tempo, um desejo com falta de atitude, eu diria. Como agora preparo comida do dia-a-dia exclusivamente para mim (com exceção da amiga Gabi que vem almoçar todas as terças mas não se importa com o cardápio vegetariano, rs), eu percebi que seria o momento ideal.

Aos poucos, fui tirando carne do meu cardápio e do meu orçamento. Não sei dizer se os custos baratearam, talvez tenha ficado elas por elas, mas os pratos ficaram mais diversificados. 

Logicamente, eu conto com o privilégio de morar numa cidade onde mesmo sem ter carro, consigo estar em qualquer mercado da cidade em no máximo 25 minutos, além de poder contar com as feiras, lojas com produtos orgânicos/naturais/cerealistas, etc. 

Eu posso dizer que minha consciência está bem mais tranquila agora, embora eu ainda não seja vegana (que eu considero um passo mais adiante… uma coisa de cada vez!)

 

10 coisas que aprendi depois que me tornei vegetariana

  • Os restaurantes/lanchonetes tem poucas opções se você é vegetariano e às vezes compensa mais fazer sua comida/lanche em casa mesmo 🙁
  • Tem que ser bem específico ao explicar que você não come carne, de nenhum tipo. Pedi um lanche sem carne outro dia, mas veio presunto…
  • SEMPRE tem uma versão vegetariana pra maioria das coisas que você come. Já fiz até salsicha aqui em casa, hambúrguer…
  • Pra quem, como eu, come quase de tudo, admito que é BEM mais fácil. Adoro experimentar coisas.
  • Isso que você vai sentir falta da carne não é regra. Vai muito de cada um. Com o tempo você acostuma, principalmente se seu conceito for baseado ao não sofrimento dos animais. Até o cheiro deixa de ser atrativo e você come de boas seu churras de legumes enquanto a galera come carne.
  • Não existe “virou vegetariano e ficou chato”. Gente chata é chata sempre, independente da escolha alimentar, só que a gente nunca se dá conta até que doa na nossa consciência ou emita opinião sobre algo que gostamos. Reparem só.
  • Não acho nem mais fácil nem mais difícil cozinhar, mas a gordura da louça é menor.
  • Tem PTS (proteína de soja) boas e HORRÍVEIS. A primeira que comi era horrível. Dei uma segunda chance e achei uma bem boa. A forma como você prepara/tempera também influencia muito.
  • Comida japa vegetariana é SENSACIONAL. Mesmo. Feijoada ainda preciso comer uma que me surpreenda pra valer.
  • As pessoas ou te criticam muito por ser vegetariano/ tiram sarro/ debocham ou ficam curiosas. No fim das contas, é tudo falta de informação sobre o que é realmente ser vegetariano (é mais simples do que parece ser, rs).

 

Alguns dos meus pratinhos do dia a dia, pra vocês verem que não como comida feia nem sem graça, muito pelo contrário:

Lentilha, farofa de ovo e cebola, batatinhas assadas, abobrinha refogada, farofa de couve, feijão rajado…

 

Strogonoff de queijo minas e champignon, chuchu com pts de alho, purê de abóbora, feijão branco, farofa de pts…

 

Feijão bolinha, berinjela refogada, hamburguer de lentilha, purê de milho, arroz cateto com arroz vermelho, repolho…

onigiri com abacate, cenoura e pepino. nhammy!

 

É isso! Alguém já fez uma mudança do tipo assim na alimentação?

Chimichurri: O melhor tempero do MUNDO!

Embora eu tenha o costume de ir à feira com apenas poucos propósitos – comprar o alho maravilha e o feijão delícia na banca do Português  e comer pastel -, eu sempre costumo dar uma olhadinha em busca de alguma novidade: é tanta coisa embalada com tanto capricho que dá gosto de ver. Numa das últimas vezes, um pacotinho me chamou a atenção pela variedade de cores, e uma etiqueta que dizia "chimichurri". Como sou #aloka dos temperos, resolvi levar para casa e experimentar. Já tinha ouvido dizer, mas não conhecia e… céus! é o melhor tempero de longe que já comprei. O vício é tanto que já fiz inúmeras possibilidades com ele: na carne, no churrasco, no frango e a última do final de semana: numa misturinha de manteiga para torradas. Não tem limites para chimichurri! Sais de banho de chimi churri, please!

 

8 maneiras de usar:

1. Para temperar a salada;

2. Nos marinados com limão;

3. No frango ao forno, envolvido com maionese e batatas!;

4. Para as batatinhas em conserva;

5. Nos legumes cozidos;

6. Na omelete;

7. Nas torradinhas com manteiga;

8. Nas carnes de churrasco (principalmente frango)

 

E o nominho é engraçado né? A explicação para  a origem do nome que mais gostei foi que é por causa da palavra basca "tximitxurri", que significa mistura*. E é bem isso mesmo, uma mistureba milagrosa que deixa tudo com um gostinho de comida especial, sem pesar.

 

Fui pesquisar um pouco mais do temperinho maravilha e tem mais coisa nele do que eu imaginava: salsinha, alho, cebola, tomilho, orégano, pimenta vermelha moída, pimentão, louro, pimenta do reino negra e mostarda em pó*. Como ele vem desidratado, pode-se acrescentar azeite e vinagre/limão e fazer uma misturinha, ou usar desidratado mesmo, apenas salpicando às receitas. Gente, eu garanto… sucesso na certa!

 

Na última ida à banca do Português, vi um pacotinho semelhante, porém escrito "tempero para feijão". Ainda não sei o que tem dentro mas né… adivinha se não levei? Depois eu conto se gostei!

 

 

chimi

chimi (a íntima já), a misturinha que fascina (e vicia!). Olha quanta boniteza junta!

 

 

O amor é tanto, que resolvi dedicar uma música pro chimi:

 



 

 

"Eu preciso de você agora e eu sempre precisarei de você
Pare, pois eu realmente amo você!
Pare, eu estou pensando em você.
Olhe dentro do meu coração e permita que o amor nos mantenha unidos"

 

*Fonte: Wikipédia