Donas de casa e o feminismo


 
 

Há um tempo atrás, no Facebook, eu havia feito um post que rendeu muitos comentários. Alguns deles foram posteriormente apagados, mas levantaram um questão que achei de muita importância: É possível ser "dona-de-casa" e feminista? E quase tão rápido quanto à minha dúvida, encontrei um ótimo post – em inglês – e tomei a liberdade de postar alguns trechos aqui no blog (se seu inglês é ok, não deixe de conferir o post original, deve estar muito melhor que essa tradução mediana que adaptei, rs). Lembrando que, decidi compartilhar este post pois achei de grande esclarecimento para mim, com observações muito bem colocadas, e acredito que seja do esclarecimento de muitas que acompanham o blog também.

Sobre o título do post, confesso: o termo "dona de casa" nunca me agradou muito, me sinto como se fosse inteiramente responsável de algo que sequer é meu (já que moro de aluguel, então não faria sentido…) Mas por falta de um termo melhor – embora já tenho ouvido uns super criativos, como CEO do Lar – , foi esse mesmo.

 feminista

Boa leitura!

 
 
"Algo tem me incomodado por algumas semanas e veio à tona: É a ideia de que não se pode ser uma esposa/dona-de-casa e mãe e uma feminista. Esse pensamento veio mais a partir de conversas que tive com várias mulheres. Primeiro de tudo, eu quero definir o termo "feminista". Eu acredito que uma feminista acredita que homens e mulheres são iguais. Isso não quer dizer que são os mesmos, isso não significa que as mulheres têm de agir como homens e vice-versa, isso não significa que eu odeio homens ou acho que eu sou melhor do que um homem, ou que uma mulher precisa de um homem como um peixe precisa de uma bicicleta. Acontece que eu amo os homens, crio dois deles, e eu estou orgulhosa disso.
 
 

Como feminista, eu acredito que as minhas antepassadas abriram o caminho para me dar a opção de fazer e ser o que eu queria. Se eu escolhi ser uma CEO, eu poderia fazer essa escolha. Se eu quisesse nunca me casar e viver uma vida muito eclética, eu também teria essa escolha. Mas eu também tenho o direito de escolher ser uma mãe e "dona-de-casa" e, ao fazer isso, isso não significa que eu acho que os homens são superiores às mulheres, que o lugar da mulher é em casa, ou que eu sou menos porque eu escolhi para estar em casa para ficar com os meus filhos. Isso costumava ser do tempo emr que as mulheres tinham muito pouco em termos de escolhas e ser uma dona de casa foi um deles. Mas só porque, uma vez na história, foram obrigados a ficar em casa não significa que o trabalho não era importante.  Mas eu não acho que só porque eu sou uma feminista, significa que eu tenho que ter um trabalho fora de casa.
 
 

Enquanto estamos falando sobre ter empregos fora de casa, podemos definir o que isso significa? Porque eu acho que a definição mais comum de 'trabalho' significa 'salário'. Mas se mudarmos essa definição para significar "algo que alguém faz para melhorar a sua vida ou a vida de outras pessoas", como "trabalho", em seguida, abre-se um novo mundo para a dona-de-casa/ mães. Por exemplo, eu considero o meu blog como um "trabalho". E ser uma mãe/ dona-de-casa é "trabalho". Só porque alguém não recebe um cheque de pagamento não significa que não é trabalho!

 
 

Francamente, eu detesto os rótulos 'dona-de-casa "ou" trabalho fora-da-casa ". Nós todos não vamos sair de casa em algum momento? E o que dizer de mulheres que podem fazer o seu trabalho de casa? Elas tecnicamente não trabalham fora de casa. Talvez por isso, é hora de encontrar alguns rótulos melhores para o que fazemos

Então, porque é que há a ideia de que uma dona de casa não pode ser feminista? Eu realmente não tenho uma boa resposta, porque na minha opinião, eles são ideais totalmente compatíveis. Acho que é fantástico que eu tenho a opção de ficar em casa com meus filhos, e são as mães que querem ficar em casa e não podem devido a questões monetárias, são quem as feministas devem estar ajudando. Eu acredito que é o meu trabalho, como uma feminista, apoiar minhas irmãs e descobrir maneiras de ajudá-las, para continuar a reunir para todas as mulheres para serem capazes de escolher seus próprios caminhos, e para ser a melhor mãe que posso ser. Isso é feminismo, e eu tenho orgulho de me chamar de feminista e uma "dona de casa". Portanto, a resposta à minha pergunta inicial é sim, é possível ser dona de casa e uma feminista."

 
 
Bethany Herwegh

E então, qual a opinião de vocês? 
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 pensamentos em “Donas de casa e o feminismo”