Vídeo: menas artista e acessórios mágicos

Eu passei por um trajeto/transição tanto das ferramentas de internet quanto das ferramenmtas utilizadas por artistas. Quando você é artista há muitos anos, você acabe se sentindo “velho” em determinado momento. Quando digo “velho” não é no sentido de pé da letra, afinal, o que é se sentir velho hoje em dia né? Não tô dizendo que tô uma velha me esquecendo de tudo (embora esteja, risos), mas é que realmente, a gente começa a se sentir… ultrapassado?

Esta semana por exemplo, presenciei uma discussão em outra rede sobre a utilização de ferramentas mais modernas, por assim dizer, e do quanto elas podem interferir na evolução do nosso processo artístico, como é o caso do iPad. Tipo, você joga lá em um equipamento modernoso e sai tudo pronto, sem esforço algum? Ou não é isso que define a complexidade do seu trabalho e seu projeto?

Bora lá. Lembro de há dez anos atrás (ou mais), quando comecei a ilustrar, eu não conhecia outra ferramenta de desenho digital além do mouse/pc. Só num curso que fiz em 2009 que tive meu primeiro contato com a “tablet”, a tal mesa digitalizadora (eu chamo de tablet pois era assim que chamávamos – mesmo sabendo que tablet hoje em dia também serve para outra coisa).

Na época todo mundo usava mouse mesmo pra desenhar, e tem gente que usa até hoje e prefere, inclusive, e faz coisas incríveis. Mas isso aí é preferência, não vou entrar no mérito de pessoas que fazem coisas absurdas com escassez de uma ferramenta, ok?

Na primeira oportunidade que eu tive de comprar uma tablet, eu comprei. Na época, minha primeira Wacom Connect (que tenho até hoje – porém a caneta comida pelo Léo). Não havia motivos de permanecer utilizando uma ferramenta que dificultava meu processo – no caso do mouse – sendo que no mercado já haviam ferramentas para facilitar isso.

Esta ferramenta mudou meu processo artístico? Foi mágica? Mágica não foi. Mas sim, facilitou DEMAIS minha vida, meu traço evoluiu, tudo ficou mais prático. E com toda certeza, um iPad também deve ter a mesma função facilitadora. Me digam aí vocês que tem e utilizam.

Hoje em dia nada tá muito barato, a impressão que tenho é que as coisas vão afunilando pra dificultar a vida do artista: feiras caras, papelarias com produtos caros… antigamente você entrava numa papelaria com R$10 e trazia a loja (rs), hoje em dia você entra com R$50 e compra uma caneta, haha! Artistas estão vivendo na base da persistência e da loucura mesmo #forçaguerreiros

Nada romântico, tudo mais caro e ainda temos que ouvir tanto palpite em cima do uso de nossas ferramentas, determinando o que podemos ou não utilizar. Muito palpite e pouco consumo da arte, né? Todo mundo quer palpitar no artista, mas essas pessoas também estão consumindo arte? Aí fica a questão.

Enfim: se você é artista, se tiver oportunidade de comprar ferramentas que vão facilitar seu trabalho, USE! Louco você já é, na melhor das hipóteses, você será feliz. Se joga, queride!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *